quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Fibromialgia



Fonte: Associação Brasileira dos Fibromiálgicos - Abrafibro

SINAIS E SINTOMAS DA FIBROMIALGIA
- dores muscularas crônicas, difusas, espalhadas pelo corpo todo, como se fosse uma "dor turista".
- dores articulares.- dores do tipo cardíaco.
- fadiga/ cansaço extremo (em especial pela manhã).
- distúrbios do sono (insônia).
- sono não reparador,
- cefaléia (dor de cabeça) tensional,
- enxaqueca (hemi-craniana) só atinge metade da cabeça,
- formigamento,
- sensibilidade ao frio,
- sensibilidade à mudanças climáticas
- tensão pré menstrual,
- dismenorréia (cólica menstrual),
- irritabilidade,
- ansiedade,
- depressão,
- distimia,
- dores da ATM (articulação têmporo-mandibular),
- falta de disposição e energia,
- distúrbios emocionais e psicológicos,
- bruxismo,
- sintomas compatíveis com Síndrome do Pânico,
- déficit de memória,
- desatenção,
- olho seco,
- boca seca,
- rigidez generalizada do corpo, ao se levantar de manhã,
- inchação nas mãos e nos pés,
- falta de energia,
- Fenômeno de Raynaud (dedos arroxeados em ambientes frios),
- Síndrome das Pernas Inquietas (movimento involuntário das pernas durante o sono),
- Síndrome do Intestino Irritável (dor abdominal, constipação, diarréia, distensão abdominal, flatulência),
- Síndrome Ureteral: os pacientes queixam-se de aumento da frequência para urinar, na ausência de infecção urinária,
- síncope neuro-cardiogênica.- sonolência diurna,
- vertigem/tontura.- palpitação.
- sensibilidade a alguns alimentos e medicações,
- alodinia (dor resultante de estímulo que não seria doloroso),
- disestesias (sensação desagradável que varia desde amortecimento até agulhadas sentida nas extremidades),
- zumbidos.- transtornos cognitivos, com lacunas mentais, confusões momentâneas para falar ou
escrever,
- sensibilidade aumentada à luz (fotofobia) e ruídos,
- perda do equilíbrio e orientação,
- alergias cutâneas (urticárias) e respiratórias (rinite e asma).
São muitos não?
E podem estar associadas a outras tantas doenças ainda.
Ainda não descobriram uma maneira de comprovarem com exames/imagens sua existência.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Quando tudo dói

Oi gente
A verdade é que como não existe cura até o momento para a fibromialgia, o que de melhor podemos fazer para nós mesmos, será manter nossa qualidade de vida, nosso ritmo, nosso passo, nosso relógio biológico. Pois se exagerarmos em qualquer desses itens teremos como consequências as dores.
E isso ninguém quer, nem merece. Portanto muito cuidado com o stress, o trabalho prolongado, a falta de alongamento, as mudanças de clima abruptas, a exposição ao frio, as poucas horas de sono, a falta de exercício etc... Dancem conforme a música e sempre no seu ritmo... nunca queiram acompanhar o ritmo do outro. Cada organismo é único e o que faz bem para um, pode ser um veneno para outro. Então fica meu conselho. Cuidem-se... Amem-se... Quanto mais gostarmos de nós mesmos, mais  cuidaremos melhor de nós!!!
Take Care!!! Amália

Fonte: Sociedade Beneficente Israelita Brasileira - Alberto Einstein

A dor geralmente aparece nos ombros e braços, depois se espalha pelo corpo todo, chegando aos ossos, tendões, músculos e articulações. Pode se arrastar por dias, meses e até anos. Junto a esses sintomas pode vir um cansaço inexplicável, o sono que não relaxa.

Também há quem reclame de dificuldade de concentração, depressão, sensação de formigamento em braços e pernas, dores de cabeça e até de cólicas intestinais. Para se livrar do problema, o paciente costuma passar por vários especialistas, antes do diagnóstico de fibromialgia.

Essa demora em se chegar à conclusão de que as dores apontam para fibromialgia reside no fato de não haver nenhum exame laboratorial ou radiológico que comprove o diagnóstico, que é exclusivamente clínico e requer histórico e exame físico detalhados. Dessa forma, consultas médicas rápidas e baseadas em laudos de exames não trazem resultados, o que faz pacientes passarem por diversos médicos, realizarem uma série de exames sem chegarem a nenhum diagnóstico.

O importante para quem tem a síndrome é manter a qualidade de vida, uma vez que até o momento não há cura.

Entre os pacientes com o problema, 90% são mulheres. A causa é atribuída ao desequilíbrio de neurotransmissores responsáveis por inibir ou gerar a dor, como a serotonina. Há uma substância diretamente relacionada aos mecanismos da fibromialgia: é a substância P, do inglês Pain – que significa dor. “O excesso da substância P no organismo resulta em maior percepção da dor”, explica Evelin Goldenberg, reumatologista do Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE) e autora do livro O Coração Sente, O Corpo Dói (Editora Atheneu).

Pesquisas mostram três vezes mais substância P no organismo dos portadores da síndrome, além da queda na produção de serotonina. “Há um excesso de agentes que enviam informações dolorosas, somado à redução nos níveis dos que suprimem a dor”, completa a reumatologista.

Gatilhos da dor

Acredita-se que há pessoas com predisposição genética para a fibromialgia, mas só manifestam a crise frente a desencadeantes. Os principais são: trauma físico ou emocional, doenças infecciosas (como gripe e hepatite C), perdas prolongadas de sono, grandes modificações hormonais e mudanças climáticas. Em seu livro, dra. Evelin afirma que há estudos sugerindo que 60% dos portadores de fibromialgia têm familiares com a doença, ou ainda doenças relacionadas à serotonina.

O diagnóstico do problema é complexo. Exames radiológicos ou laboratoriais não revelam a síndrome, que tem seu diagnóstico exclusivamente clínico, por meio de história e exame físico detalhados e a palpação de ‘tender points’, ou pontos de tensão. Ao todo são 18 e o critério do Colégio Americano de Reumatologia para o diagnóstico é a presença de dor generalizada pelo corpo por pelo menos 3 meses e a presença de 11 em 18 tender points.

Tratamento e prevenção

Não há vacinas ou outros métodos que possam prevenir o surgimento da doença. O que se pode fazer é adotar atitudes simples que tornem as circunstâncias menos favoráveis à fibromialgia, o que não garante estar fora de perigo.

O importante para quem tem a síndrome é manter a qualidade de vida, uma vez que até o momento não há cura. Muitos dos sintomas podem ser amenizados contando com a ajuda de medicamentos e terapias como a acupuntura, sessões de relaxamento e massagem.

Dieta: há expectativa com relação às fontes de triptofano, o aminoácido precursor da serotonina, que ajuda a inibir a dor. Esse aminoácido apresenta-se em quantidade insuficiente no organismo dos portadores da síndrome. O triptofano pode ser encontrado na banana, milho, arroz integral, legumes, leite e mel. Entretanto a dra. Evelin adverte: “Ainda não está comprovada a importância de dieta nesses pacientes”.

Exercícios físicos: músculos sem treinamento são mais vulneráveis a lesões e, por consequência, a desencadear traumas capazes de impulsionar o desenvolvimento da fibromialgia. A recomendação é a realização de exercícios físicos de caráter lento e progressivo, individualizados e sob a orientação de profissional especializado.

Estresse: procure afastar-se das fontes de estresse e desenvolver melhores formas de administrá-lo como técnicas de respiração, yoga, meditação e acupuntura. As pessoas estressadas sofrem mais com a dor, insônia e irritabilidade, fatores que podem desencadear a fibromialgia.

Sono: perder várias noites de sono pode se tornar fonte de fadiga e dor. O mais indicado é estabelecer um horário para dormir e evitar bebidas que contenham álcool e cafeína e a prática de exercícios físicos exaustivos à noite.

Antecedentes familiares: quem tem familiares com fibromialgia deve manter dieta balanceada, praticar exercícios e ter boas noites de sono. Se a dor aparecer, esqueça os analgésicos e procure um especialista no assunto. O tratamento precoce pode evitar a dor crônica.

Atualizada em novembro/2009

Pensamento


"O senso de humor e o sorriso espontâneo estão relacionados a melhor qualidade de vida e percepção de bem-estar".



Fé: mais uma aliada contra a Dor

Olá pessoal
Hoje estou postando um artigo bem interessante, um pouco diferente do tradicional que eu costumo postar. Mas eu compartilho esse artigo porque  acredito que é muito mais fácil lidar com a dor quando se tem uma fé e um desenvolvimento espiritual, independente de qual religião você pratica. Pois quando oramos, meditamos, entramos em contato com o divino dentro de nós e nos sentimos mais calmos e tranquilos. Temos esperança de que amanhã será um novo dia e que muitas coisas boas virão! Façam bom proveito do texto. Fiquem bem. Amália  

Fonte: Sociedade Beneficente Israelita Brasileira - Albert Einstein

Os benefícios da fé
Fé: mais uma aliada contra a dor. Acreditar em Deus ou numa força superior, relacionadas ou não à religião; contemplar a natureza e sentir sua intensidade, beleza, imensidão; desenvolver ações sociais. Cada uma dessas atitudes, em geral, promove a sensação indescritível de bem-estar.


No caso da fé, desde os anos 80 questões em torno de sua importância vêm sendo estudadas e, atualmente, seus benefícios são indiscutíveis.

Pesquisa publicada em 2004 no São Paulo Medical Journal, da Associação Paulista de Medicina, concluiu que a prática da prece, por exemplo, guarda relação com a melhora da saúde de pacientes com câncer.

Outros estudos realizados revelam que quem tem doenças relacionadas ao estresse também apresenta melhora com a prática de preces e meditações. Isso vale ainda para pacientes que apresentam doenças crônicas – principal causa de morte e incapacidade no mundo – como obesidade, hipertensão, câncer, doenças cardiovasculares e respiratórias.

Se o sistema neurológico está equilibrado, o estado psicológico fica propenso a trazer a sensação de esperança, de perdão, de amor e de altruísmo e desenvolve energias interiores de autocura

A explicação é simples. Segundo o dr. Marcelo Saad, médico fisiatra e coordenador do Núcleo de Estudos sobre a Religiosidade-Espiritualidade em Saúde (NERES), do Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE), com a espiritualidade desenvolvida, a pessoa tem um estado mental que induz ao equilíbrio neurofisiológico e dos hormônios, além de atuar favoravelmente na imunidade.
“E, se o sistema neurológico está equilibrado, o estado psicológico fica propenso a trazer a sensação de esperança, de perdão, de amor e de altruísmo e desenvolve energias interiores de autocura – o efeito placebo. A fé é ainda capaz de mobilizar a endorfina, o hormônio do bem-estar.”

De olho nos benefícios

Diante desse cenário, o HIAE criou o NERES, que faz parte do Grupo de Dor e Cuidados Paliativos. O objetivo é difundir informações científicas sobre os efeitos biológicos da fé, ministrar palestras para desmistificar o tema e apoiar a assistência espiritualista aos pacientes internados e a seus parentes.

Quando tratamos da dor das pessoas não estamos cuidando somente da parte biológica.

Em um primeiro momento, será enfatizada a importância da espiritualidade com as equipes assistenciais e, depois, divulgada por todo o Hospital, inclusive entre os pacientes, para que seja integrada ao serviço da instituição. Muitos profissionais, entre médicos, enfermeiros e profissionais da saúde, já mostraram interesse em desenvolver trabalhos sobre essa questão.

O novo serviço a ser implantando será mais uma alternativa para prevenir e amenizar o mal-estar dos pacientes. O Grupo de Dor e Cuidados Paliativos disponibiliza tratamento multidisciplinar, que conta com o suporte de neurologistas, fisiatras, psicólogos e fisioterapeutas, além da dra. Fabíola Peixoto Minson, anestologista, e da dra. Ana Cláudia de Lima Quintana Arantes, geriatra e coordenadora do grupo.

“Quando tratamos da dor das pessoas não estamos cuidando somente da parte biológica. Cada um tem a sua crença e isso pode trazer benefícios no tratamento da doença. Com mais essa frente, o atendimento fica ainda mais completo e integral, contemplamos o ser humano como um todo”, explica a dra. Ana Cláudia.

Atualizada em novembro/2009

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Pensamento



" Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já tem a forma de nossa corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos".
Fernando Pessoa 

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Tratamento da Disfunção da ATM

Oi pessoal
Ontem postei um artigo sobre sintomas e diagnóstico das Disfunções da ATM e hoje estou postando a continuação sobre os vários tipos de tratamentos usados para cada caso de Disfunção da ATM, que somente seu dentista saberá qual o mais indicado para você. 
Espero que essa matéria lhe esclareça um pouquinho mais. Fiquem bem! Amália

Fonte: Centro de Diagnóstico e Tratamento da ATM

* Reduzir - eliminar dor articular e muscular
* Reduzir - eliminar inflamação nos músculos e ATM
* Melhorar limite de movimento mandibular
* Reduzir carga adversa nas ATMs 
* Reposicionar a mandíbula ao crânio para melhorar função 
* Reeducar o paciente (posicionamento correto da mandíbula)
* Melhorar postura
* Fortalecer o sistema músculo-esquelético estomatognático

APARELHOS UTILIZADOS NO TRATAMENTO DA DISFUNÇÃO DA ATM E DOR OROFACIAL
* LASER (Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation = Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação).
Esta radiação luminosa possui características singulares, diferentes da luz comum, tais como: coerência, polarização e monocromaticidade. Laser utilizado para tratamento de disfunção e dor da ATM e músculos é o Laser classificado como de baixa intensidade. Como a radiação Laser é composta de fótons que transportam energia, ao se aplicar a radiação Laser em qualquer superfície, ocorre transferência de energia. Ao se aplicar radiação Laser num tecido (músculo, por exemplo), transfere-se uma certa quantidade de energia. Com a aplicação desta energia, obtem-se efeitos que podem ser descritos como diretos ou primários, indiretos ou terapêuticos.

* TENS Ultra Baixa Freqüência (Transcutaneous Electrical Neuromuscular Stimulation = Estimulação Elétrica Neuromuscular Transcutânea)
São estímulos elétricos emitidos por aparelhos (BioTENS, MYO-MONITOR) na freqüência de 1 pulso por segundo (1HZ), com amplitude suficiente para promover contração muscular. Estas contrações rápidas e repetitivas atuam como uma bomba, forçando a saída de sangue venoso dos músculos e aumentando o afluxo de sangue arterial. Como resultado as substâncias irritantes dentro do músculo são eliminadas e o metabolismo aeróbico é restaurado. Não existe a possibilidade de se causar fadiga ou contratura muscular porque as contrações produzidas são médias, de curta duração e o suprimento sangüíneo não é comprometido. O paciente pode utilizar os pulsos do TENS por quanto tempo desejar. Pesquisas tem mostrado que o uso contínuo de TENS de ultra-baixa freqüência previne alterações musculares acelerando o processo de cura. Também foi evidenciado que TENS de ultra-baixa freqüência promove liberação de endorfina.

* ULTRA-SOM
São vibrações mecânicas, acústicas, inaudíveis, de alta freqüência que produz efeitos fisiológicos térmicos e não térmicos. Os benefícios clínicos do ultra-som incluem efeitos térmicos que diminuem dor nos músculos e articulações, e efeitos não térmicos que diminuem a viscosidade do colágeno tornando mais fácil a mobilização de tecidos moles e articulares.

FES (Functional Electrical Stimulation)
Aparelho computarizado que possibilita recuperação da atividade muscular (pacientes com disfunção da ATM tem os músculos mastigadores enfraquecidos) através de contrações isométricas controladas.

* E-Z-Flex
Aparelho mecânico com acionamento hidráulico para exercícios de abertura e fechamento passivo da boca. Importante na recuperação de pacientes com hipometria bucal.

A maior parte dos pacientes que trata das disfunções da ATM, invariavelmente necessitará de algum tipo de tratamento irreversível como: ortodontia, troca de restaurações, incrustações, coroas e implantes.

Aproximadamente 80 % dos casos necessitam de tratamento ortodôntico.

O tratamento ortodôntico em pacientes que tiveram tratamento da disfunção da ATM necessitam cuidados especiais, sendo o mais importante a manutenção do posicionamento mandibular.

Dor de Cabeça? Pode ser ATM!


Olá Pessoal
Me indicaram um dentista em São Paulo, especializado em DTM e Dor Orofacial. Estarei marcando em breve uma consulta com ele. 
Visitei seu site e encontrei lá informações de alta qualidade. Estou colocando seu site entre os meus indicados. Visitem o site para maiores informações.
Estou compartilhando com vocês, alguns artigos que achei interessante, na tentativa de estar contribuindo também para o bem estar de todos.  
Espero que esteja, dessa forma, contribuindo para maiores esclarecimentos sobre as várias formas de dores de cabeça.
Quem sabe em vez de procurar um médico, você não deve procurar um dentista!
Fiquem bem e sucesso à todos em seus tratamentos. Amália
  

Fonte: Centro de Diagnóstico e Tratamento da ATM.  


Verifique se você é possuidor de um ou mais sinais e sintomas descritos abaixo:
Todos estão relacionados à disfunção da ATM e Dor Orofacial:
* Dor de cabeça freqüente.

* Ruídos (estalos) nas ATMs quando mastiga.

* Ruídos (crepitação: semelhante a amassar papel) nas ATM's quando mastiga.

* Sensação de entupimento nos ouvidos.

* Zumbido ou outro tipo de ruídos nos ouvidos.

* Tontura freqüente não relacionada à “labirintite”.

* Sente a ATM “ficar travada”.

* Sente dificuldade de abrir a boca.

* Sente dor nos dentes.

* Os dentes estão sensíveis principalmente ao frio.

* Sente dor nos músculos da face.

* Músculos ficam cansados quando mastiga.

* Dor como se fosse sinusite, mas o médico encontra normalidade

* Apertamento dental constante.

* Precepção de ranger os dentes à noite.

* Sente dor no ouvido.

* Sente dor no pescoço, nuca ou ombros.

* Passou por consulta com médicos para diagnóstico de dor de cabeça crônica.

* Tem dor muscular ou articular após as refeições.

DIAGNÓSTICO
Na área de saúde o sucesso de todo e qualquer tratamento está relacionado à obtenção do diagnóstico correto.

O primeiro passo para obtenção do diagnóstico encontra-se na avaliação clínica que compreende anamnese (história) e exame clínico. Dada a complexidade do sistema estomatognático (mastigador) o exame clínico compreenderá:
* Avaliação dos músculos mastigadores.
* Avaliação da oclusão dental.
* Avaliação dos movimentos da mandíbula.
* Avaliação das ATM's.

Exames complementares são freqüentemente utilizados para auxiliar na formulação do diagnóstico da disfunção da ATM.

Tais exames compreendem:
* Imagens da ATM - radiografias transcraniais, tomografias, imagem por ressonância magnética
* Eletromiografia - avaliação computadorizada da atividade dos músculos do sistema estomatognático (mastigador)
* Eletrovibratografia - avaliação computadorizada dos ruídos nas ATMs
Eletrognatografia - avaliação computadorizada dos movimentos da mandíbula (mastigação, fala, abertura e fechamento, lateralização, espaço funcional livre).

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Dor na mandíbula, ao mastigar, ao abrir a boca, bruxismo: Conheça as disfunções mandibulares

Fonte: Blog do Dr. Mauro Gemelli (Osteopata) - AGO/2010  

Conforme postado pelo Osteopata Dr. Gemelli de Curitiba,  ele diz que atende muitas pessoas no consultório com dor de cabeça, dor no pescoço, e que possuem ao mesmo tempo sensações de dor orofacial, fizeram ou fazem tratamento ortodôntico, têm insônia ou dificuldade para dormir, bruxismo, etc. Tudo pode estar relacionado as disfunções (de abertura e fechamento, controle muscular) da articulação têmporo-mandibular.

A Disfunção têmporo-mandibular (DTM) é um distúrbio que acomete a articulação têmporo-mandibular e pode gerar sintomas como dor de cabeça, enxaqueca, zumbido no ouvido, tontura, dor ao abrir a boca, restrição da abertura da boca, etc.

A má oclusão causada por traumas, tensão muscular, assimetria da face, e maus hábitos podem causar estas DTMs, que são tratáveis através da Osteopatia, que aliviam sintomas, e previnem evolução para problemas mais sérios.

O bruxismo é caracterizado pela atividade muscular da mastigação acordado ou mesmo dormindo, gerando um ranger dos dentes, às vêzes com desgaste dos dentes pelo atrito. Ela está relacionada tanto à má oclusão, quanto a postura ou ao emocional (ansiedade por exemplo). Na osteopatia estimulamos o alinhamento através de técnicas manuais sobre as articulações, suturas cranianas, fascias e músculos que interferem na ATM.

Os bloqueios de movimento são na verdade outro sintoma desta má oclusão, que ocorrem por descordenação muscular e alterações meniscais. O treino muscular muitas vezes é capaz de melhorar este sinal.

E, a dor?

Ela é o sintoma pelo qual as pessoas procuram tratamento, pode estar presente na região temporal, occipital (nuca), enxaqueca, dor no fundo do olho, etc.

O reequilíbrio proporcionado pela osteopatia leva a melhora de todo o quadro inclusive ao alívio dos sintomas.

Associado a Osteopatia, é importante um tratamento postural para reequilibrar a musculatura inclusive da mastigação, deglutição e fonação que estão relacionadas a ATM.

sábado, 2 de outubro de 2010

Pensamento



"Devemos agradecer às pessoas que nos fazem felizes...
São elas os jardineiros encantadores que
fazem nossas almas 
florescerem."
(Marcel Proust)

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Enxaqueca: quais as principais causas?

Olá pessoal,

Hoje acabei de reler o livro do Dr. Alexandre Feldman, do qual fui paciente, mas por ele atender em São Paulo e eu morar em Curitiba, ficou inviável para mim. No entanto adquiri seus livros e gostaria de recomendá-los, porque através deles, obtive muito progresso na redução das minhas crises de enxaqueca, além de obter muitos esclarecimentos. O que fazer e o que não fazer, além do conhecimento sobre o conceito de "Medicina do Estilo de Vida" um plano bem fundamentado de mudança do Estilo de Vida, de suma importância para todos nós enxaquecosos, digo, até mais importante do que qualquer remédio de última geração para as crises de dor. Porque os remédios sozinhos não resolvem o problema, são apenas paliativos momentâneos, além de trazerem desagradáveis efeitos colaterais.
Prevenir ainda é o melhor remédio! 
Ele relata também que quando as pessoas o procuram pela primeira vez, entram na sala com um misto de esperança, incredulidade e frustação por força de tantos tratamentos sem sucesso pelos quais já passaram.
Sem falar no esforço que cada um faz para sair e tentar ser sociável. E fica sempre aquela pergunta no ar, e se eu tiver uma crise?
E a vida fica imprevisível para quem tem enxaqueca... 
  
Deixo grifado mais uma citação de seu livro, que me chamou atenção, para que vocês repensem sobre suas vidas e o quanto às vezes esquecemos de focar no todo e acabamos focando somente na dor, enfim, sobre  a importância do tratamento multidisciplinar para nossa qualidade de vida: "Não é possível cuidar do corpo esquecendo da alma e da mente, e vice-versa. A cada passo que a humanidade dá, mais distantes ficamos da ideal orquestração entre corpo, alma e mente".

Deixo aqui público, em meu Blog, meu agradecimento ao Dr. Alexandre Feldman por seu empenho, dedicação e profissionalismo, por essa especialidade tão complexa e pela ajuda na melhoria da qualidade de vida para grande parte da população tão carente de conhecimentos.

Minha dica: se puderem leiam seus livros ou entrem no site indicado abaixo. 
Estou postando um artigo bem interessante extraído do seu site.
Sucesso à todos e boa leitura! Amália

Fonte: www.enxaqueca.com.br - Dr. Alexandre Feldman

Enxaqueca: quais as principais causas?
Um dos problemas da enxaqueca é que todos os exames eventualmente realizados pelo paciente resultam perfeitamente normais.
Então, qual a causa da enxaqueca?
Para muitos médicos, infelizmente, a enxaqueca ainda é doença de hipocondríaco, frescura, piripaque, vontade de chamar atenção. Mas a causa da enxaqueca é, na verdade, muito sutil para ser detectada pelos exames de que dispomos, ainda que os mais modernos.
Trata-se de um desequilíbrio bioquímico em certas localidades do cérebro, envolvendo substâncias chamadas neurotransmissores, além de neuropeptídeos e hormônios. Neurotransmissores e neuropeptídeos são substâncias que o cérebro fabrica, responsáveis por nossas sensações (inclusive a de dor) e até pelo nosso humor e comportamento. É por isso que a enxaqueca anda de mãos dadas com depressão, ansiedade e pânico. Elas dividem o mesmo mecanismo bioquímico cerebral!
Uma vez instalado esse desequilíbrio, o indivíduo fica vulnerável a apresentar a dor e os demais sintomas, mediante uma série infindável de gatilhos (fatores desencadeantes), os quais são erradamente confundidos com causas.
A segunda parte do meu novo livro, Enxaqueca - Finalmente uma Saída, é destinada inteiramente à explicação destes mecanismos descobertos pelas pesquisas mais avançadas da atualidade, nas mais diversas áreas da ciência. Leia e releia esta parte com toda sua atenção e use o site como suporte às suas dúvidas.
A localização da dor pode variar de crise para crise; raramente dói sempre no mesmo lugar. A dor pode ocorrer em qualquer lugar da cabeça, inclusive na região dos dentes, dos seios da face e da nuca, dando origem à confusão com problemas dentários, de sinusite e de coluna.
Os demais sintomas da enxaqueca compreendem náuseas (enjôo), vômitos, aversão à claridade, ao barulho, aos cheiros, hipersensibilidade do couro cabeludo, visão embaçada, irritabilidade, flutuações do humor, ansiedade, depressão (mesmo fora das crises) e lacrimejamento. Um indivíduo não precisa apresentar todos estes sintomas para ter enxaqueca. Normalmente apresenta alguns deles, em graus variados.
A duração de uma crise de enxaqueca é, tipicamente, de 3 horas a 3 dias, seguida de um período variável sem nenhuma dor. Pode ser precedida por uma alteração do humor (euforia em alguns casos, depressão e irritabilidade em outros) e do apetite (vontade de comer doces, ou então perda de apetite), visão embaçada, visão dupla, escurecimento da visão (cegueira parcial) de um ou ambos os olhos, e sensação de estar vendo pontos brilhantes, como se fossem vaga-lumes.
Entre outros sintomas estão incluidos diminuição da força muscular de um lado do corpo, formigamentos, tonturas, diarréia, podendo também ocorrer as manifestações visuais já descritas.
A freqüência da dor é muito variável, podendo ser desde uma vez na vida, até todos os dias, e até várias vezes ao dia, no caso da cefaléia em salvas.
A cefaléia em salvas é uma variante rara da enxaqueca, que acomete muito mais os homens.
A dor pode ser muito forte, a ponto de impedir o indivíduo de exercer qualque atividade, obrigando-o a ficar deitado, num quarto escuro, em silêncio, durante horas ou dias. O paciente torna-se muito irritável, preferindo ser deixado sozinho.
Boa parte das crises terminam com o sono, ou então quando a pessoa vomita (principalmente as crianças). Ao fim de uma crise, o paciente sente-se como que de ressaca, apresentando, por mais de um dia, tolerância limitada para atividade física e mental.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Zumbido e DTM



Olá pessoal
Estou de volta depois de um curto período viajando, já aproveitando para justificar o motivo por não ter mais postado. 
Outro dia li um depoimento de uma jovem que me sensibilizou muito,  e depois de alguns contatos com ela, ela me sugeriu que postasse no meu Blog também, para que mais pessoas pudessem  ser beneficiadas com o relato de sua experiência. Seu nome é Rossanna Pereira Pinheiro e seu depoimento é: "Minha história com a DTM".
Fala sobre DTM, zumbido e dores de cabeça.
Ela resolveu contar o seu caso e sua dificuldade em ser diagnosticada com DTM, os sintomas que teve e tem, a depressão, o zumbido, para ajudar outras pessoas que passam pelo que ela está passando, a procurarem outras formas de diagnósticos além da Otorrinolaringologia.
Também postado no site: www.dtmedor.com.br o qual incluo na relação dos sites indicados. Melhoras à você Rossanna.
Sucesso à todos Amália

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Web 2.0 - legendado



Postei esse vídeo do YouTube, haja vista, que estamos em época de gigantes mudanças em se tratando de internet e tecnologia. Esse vídeo consegue mostrar com bastante clareza a evolução rápida da Net em nossas vidas de uma forma bastante global. Agora, necessitamos parar, repensar e ver o desenrolar de tudo isso em nossa rotina diária. 
Já que esse Blog fala sobre Medicina, aproveito para lembrar sobre um assunto bastante polêmico e controverso que é o "Paciente Informado".  Muito ainda terá que ser feito para que sejam difundidas e divulgadas matérias importantes e de grande utilidade pública. Tenho visto falar sobre  Certificação de sites e/ou Blogs para que as informações prestadas sejam de boa qualidade e as más informações sejam eliminadas cada vez mais. Isso é de suma importância!

Quanto ao "paciente informado", acredito que, se nós estivermos mais bem informados sobre nossa condição de saúde, tanto física quanto mental, dessa forma penso eu, estaremos com certeza, beneficiando o profissional da área de saúde, na sua própria anamnese, facilitando para ele e para nós, já que o tempo é cada vez mais curto para todos.

Acredito também que a disseminação de informações nos sites de relacionamentos, em comunidades específicas, são devido a grande necessidade que a população tem em poder falar de seus problemas de uma forma mais informal e mais barata, às vezes essas pessoas não tem acesso fácil a médicos ou mesmo condições de terem um auxílio médico. Assim consultam o Dr. Google, como já virou chavão.

Além da disseminação de informações, existe também a humanização da saúde, pois nas redes sociais, as pessoas se dispõe a ajudar outras pessoas sem interesse algum, ajudando com dicas e trocas de experiências. Em se falando de atitudes, vale ressaltar as comunidades de médicos, dentistas e outros profissionais da área da saúde que já estão conectados na Web 2.0, dispondo de seu tempo, para ajudar pessoas na rede, não através de consultas, mas com informações úteis e/ou mesmo indicando um  caminho para essas pessoas. Quer atitude mais bonita que essa??? Parabéns a todos os que fazem essa belíssima contribuição.

A única coisa realmente preocupante ao meu ver, eu diria que, enquanto não tivermos políticos realmente interessados com a saúde pública no nosso país, infelizmente nós vivenciaremos o que acontece nos dias de hoje, uma falta de valorização da pessoa humana. Então é nossa chance de tentar mudar alguma coisa, com um pequeno click, podemos enxergar a Internet de uma forma diferente, como um recurso favorável não só de popularização de conhecimento global, mas principalmente da disseminação da saúde, pois um informação correta na hora certa, com certeza ajudará a minimizar o sofrimento daquela pessoa que pede socorro. Enxergando por esse ângulo eu acho válido, os recursos oferecidos na Net, como redes sociais e a disseminação do "paciente informado". Lógicamente que isso precisa de boas regras, como tudo na vida!
É isso aí gente! abraços Amália       

sábado, 7 de agosto de 2010

É hora de relaxar... SHIATSU

Fonte: site Idmed - Escrito pelo fisioterapeuta Thiago Nishida

O que é o shiatsu e qual sua origem?
O Shiatsu , embora tenha se originado na China, foi desenvolvido no Japão, no início do século XX. Hoje, essa terapia manual é reconhecida pelo Ministério da Saúde e indicada para prevenir e tratar várias doenças, tais como: dores na coluna vertebral, dores de cabeça, sinusite, paralisia facial e esgotamento físico.
A palavra é derivada do japonês Shi que significa “dedo” e Atsu, “pressão”, ou seja, pressão com os dedos. Pode ser feita tanto em pessoas doentes como em pessoas saudáveis como prevenção.
De acordo com o Ministério da Saúde e Bem Estar do Japão, “Shiatsu é uma terapia que utiliza os polegares, dedos e a palma das mãos, sem a utilização de qualquer aparelho mecânico ou de qualquer outro tipo para aplicar a pressão sobre a pele, corrigir o mau funcionamento interno, promover e manter a saúde e tratar de doenças específicas”.
Como é feito?
Uma sessão de Shiatsu é, geralmente, feita de 50 a 60 minutos, com periodicidade de 1 ou 2 vezes por semana. É feito com a pessoa deitada e o terapeuta trabalha, na maior parte do tempo, com o polegar. Os movimentos são rítmicos e feitos com o corpo inteiro. Nessa terapia não é necessário o uso de cosméticos como óleos e cremes e não há necessidade de se despir.
Em que se baseia?
A terapia do shiatsu não é fundamentada no modelo ocidental, ela é baseada numa concepção oriental na qual se acredita que a cura não deva ser feita “atacando” a doença, mas fortalecendo (equilibrando) o paciente. Os pontos doloridos no nosso corpo são pontos de bloqueio de energia, a causa das doenças.
Como medicina preventiva, o objetivo é a harmonia e a manutenção da força vital, acreditando que o corpo harmonizado energeticamente é saudável.
Quais são as indicações do Shiatsu?
• Tratamento do estresse;
• Reequilíbrio dos centros de energia (Yin/Yang);
• Harmonização interior;
• Relaxamento; geral;
• Revitalização;
• Desenvolvimento da consciência e sensibilização corporal;
• Eliminação de toxinas;
• Alívio de dores;
• Eliminação do “peso” sobre os ombros e nuca.

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Método Pilates e Fibromialgia


Oi pessoal, aí vai uma dica: Não custa nada tentar o Método Pilates para Fibromialgia!

Eu comecei semana passada e já tenho sentido pequenos benefícios nas minhas dores e saúde em geral. Os benefícios são muitos e ajudam inclusive a prevenir riscos de uma lesão, além de proporcionar alívio de dores crônicas, que é a nossa meta. Porque o Pilates fortalece, alonga, e equilibra toda a musculatura que envolve a coluna vertebral, alinhando e descomprimindo tensões na mesma. "Segundo Joseph Pilates (criador do método), após as 10 primeiras aulas, o praticante sente que o corpo mudou; após 20 aulas, que as mudanças são visíveis ; após 30, as demais pessoas começam a notar as mudanças."

Sendo a Fibromialgia uma doença ainda um tanto desconhecida, apesar dos muitos estudos da ciência. Precisamos adicionar, além da medicação necessária, as terapias alternativas e a prática de exercícios físicos, desde que bem orientados, que com certeza nos levarão a um grande bem estar, além de nos sociabilizar, nos dá uma consciência corporal, assim como, nos dá flexibilidade, alongamento e fortalecimento muscular. 
Fazemos uma conexão da mente e do corpo gerando com isso um sensação de relaxamento juntamente com os exercícios respiratórios. 
Vamos tentar??? Porque não gastamos nosso dinheiro com coisas prazerosas e viagens a lugares desconhecidos fora e dentro de nós mesmos?
Experimentem... e não esqueçam que esse é um investimento em prol da nossa saúde, que é o bem mais precioso que possuímos!!! Pensem nisso!   
Sucesso à todos!!! Amália

Benefícios do Método Pilates

Fonte: Revista Pilates
Cada pessoa é única. Se existe uma técnica de exercício físico que respeita muito este fato, é o Pilates.
Talvez por isso, cada vez mais o método tem proporcionado aos praticantes, mudanças significativas na qualidade de vida e consequentemente, no estilo de vida do indivíduo.

Não são raros os relatos de adeptos que, após praticarem Pilates, passaram a dormir mais e melhor. Outros que pararam de tomar medicamentos para regularizar o funcionamento instestinal, ou que tomavam remédio para dores há anos e depois de seis meses de exercícios não tomavam mais.

Existem também casos de alunos que, com o método, descobriram coisas de si mesmo que não descobriam na terapia.

Muitos atletas e bailarinos, uma vez iniciada a prática, nunca mais conseguiram tirar o Pilates do seu treinamento, pelo fato do método melhorar significativamente a performance profissional.

Especialistas afirmam que ao entrar em contato com o Pilates, a pessoa entra em contato com as suas “áreas deficientes”, ou seja, suas fraquezas. E a primeira coisa a fazer é aceitar essas áreas, para só assim poder modificá-las, tornando-se uma pessoa mais forte e segura.

Quem modifica o corpo, modifica a vida num todo.

"Se alguém lhe fechar a porta, não gaste energia com o confronto, procure as janelas.
Lembre-se da sabedoria da água: a água nunca discute com
 seus obstáculos, mas os contorna."

domingo, 1 de agosto de 2010

Fibromialgia

Achei esse desenho perfeito na descrição da Fibromialgia e por isso estou postando, dizem que as pessoas que sofrem de Fibromialgia carregam um peso enorme nas costas.
Porque além da Dor, ainda adquirem outras comorbidades.
Bem vindos ao Treinamento Físico!!! Eu confesso, eu odeio fazer exercícios e quantos de vocês também não se sentem como eu? 
Mas vamos lá gente, tudo em prol da nossa saúde!!! Não desanimem, não se desconcentrem do foco.  Vitórias virão!!! Sucesso à todos!  Amália

Fibromialgia - Dra. Evelin Goldenberg

sábado, 31 de julho de 2010

Pedras no Caminho?


Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes,
mas não esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo.
E que posso evitar que ela vá a falência.
Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver apesar de todos os desafios,incompreensões e períodos de crise.
Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e
se tornar um autor da própria história.
É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar
um oásis no recôndito da sua alma .
É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.
Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos.
É saber falar de si mesmo.
É ter coragem para ouvir um 'não'.
É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.

Pedras no caminho?
Guardo todas, um dia vou construir um castelo...

(Fernando Pessoa)

O Coração Sente, O Corpo Dói - Livro Dra. Evelin Goldenberg

Olá pessoal, isso não é propaganda, não!
Isto é apenas uma constatação!
Quando eu li esse livro em JUN/2006 da Dra. Evelin Golbenberg, risquei boa parte do livro.
Fiz a seguinte observação na primeira página do livro: 
Eis aqui meu auto-retrato.
A Dra. Evelin diz na introdução do seu livro:
Insuportável para quem tem. Imcompreensível para quem acompanha de fora.
A fibromialgia é uma doença real, debilitante, que provoca dores generalizadas pelo corpo - se além delas você sentir um cansaço desproporcional, não dormir bem, tiver enxaqueca, sensação de formigamento, além de uma irritabilidade inexplicável, atenção você é um sério candidato a ter  Fibromialgia! Embora não mate, deforme, nem enlouqueça o portador, ela prejudica (e muito) sua qualidade de vida!"
O livro nos dá boas dicas e bons exemplos de como minimizar e em alguns casos até a abortar a dor. Por que não?

sexta-feira, 30 de julho de 2010

O Exercício Físico e a Fibromialgia

Olá leitores, depois de ler o artigo abaixo e o médico me falar que o exercício é  parte fundamental do tratamento, vou começar a me movimentar o mais breve possível.  Se isso tira a dor, porque eu não fazia exercício antes?  A resposta é simples: porque dói e a gente acaba parando. Agora, como  recomendado, vou começar com doses homeopáticas, todo dia um pouquinho, mais um pouquinho no outro, na medida certa, e, duvido que não consiga obter um alívio para as minhas dores. Então... mãos à obra e vamos à luta, já que queremos  vitórias! Eu estou começando amanhã! Faça sol ou faça chuva! E você o que está esperando??? Sucesso à todos. Amália 


Um trecho da entrevista, onde Dr. Eduardo Paiva explica o por quê da necessidade de atividade física para o fibromiálgico...

"...Exercícios: Esse é o ponto mais importante do tratamento. Costumo dizer que a pessoa com fibromialgia não pode se dar ao luxo de não se exercitar. A atividade física regular é o único tratamento capaz de restaurar a pessoa para uma vida normal. ... A atividade física deve ser realizada todos os dias de duas maneiras: um exercício que mexa todo o corpo (aeróbico) como nadar, caminhar, correr ou praticar hidroginástica, e exercícios que promovam o alongamento muscular. Os exercícios devem ser iniciados lentamente, e só depois de algum tempo é que se deve chegar ao tempo total: trinta minutos por dia. Mesmo depois que o paciente chegue a esse nível de exercícios, pode haver uma demora de até um ano para que os benefícios comecem a aparecer. Por isso quanto mais cedo se começar a atividade física, melhor..."


Fonte: site do Dr. Goldenberg

Enfatizar o papel ativo do paciente no tratamento.

O tratamento através da reabilitação é fundamental nestes pacientes. Os pacientes devem ser orientados a realizar exercícios de baixo impacto sob orientação médica bem como atividades que melhorem a performance cárdio-respiratória.
Temos que melhorar o condicionamento físico destes pacientes, porém de caráter lento e progressivo. Em geral nos deparamos com a seguinte situação:O médico fala:
- Exercícios são bons para você; você deve exercitar-se; e faça-os já!

O paciente responde:
- Eu não posso exercitar-me; não tenho energia suficiente para isso.

Ambos tem razão...
Os exercícios físicos podem ser benéficos ou maléficos. Se bem feitos, na medida correta trazem grandes benefícios, caso contrário, metade dos pacientes desiste dos programas de exercícios, pois apresentam grande piora da dor e fadiga.

Atividade Física - É dificil? Mas é Preciso!!!


Fonte: Agencia USP

Alongar os músculos pode ser a solução para pacientes que possuem fibromialgia - conjunto de sintomas que envolvem dores musculares e problemas psicológicos. Esse tipo de atividade mostrou maior eficiência na diminuição da dor e na melhora de outros sintomas, como a ansiedade, em comparação ao condicionamento físico.

"Porém, fatores como a facilidade de desenvolver os exercícios de alongamento em casa podem ter influenciado os resultados", ressalta a professora Amélia Pasqual Marques, do Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional (Fofito) da Faculdade de Medicina da USP, que coordenou o aspecto fisioterápico dessa pesquisa.

A fibromialgia atinge geralmente mulheres com idade entre 35 e 60 anos. Os portadores do problema apresentam dor crônica por mais de três meses, fadiga, falta de sono e 18 pontos mais doloridos espalhados pelo corpo, além de ansiedade e depressão.

Importância da atividade física diz a professora Amélia ressalta a importância do alongamento para quem tem dor. "Além dos resultados, podem ser feitos em casa facilmente", comenta a professora. Ela lembra, no entanto que o mais importante é fazer alguma atividade física, mesmo que não seja o alongamento. "Outro cuidado que deve ser tomado é para que não se excedam os limites e os pacientes saiam com dor muscular", diz.A interação com o paciente, nesse tipo de pesquisa, é grande.

Ele recebe informações sobre como fazer os exercícios em casa, além de ser bem orientado sobre sua doença, o que ajuda nos resultados positivos. "Eles chegam muito desanimados no início do tratamento.

Nós tentamos mostrar que não é porque alguém disse que o seu problema não tem cura que ele não pode ser controlado e damos como exemplo a dor de cabeça", explica a professora.

"Eles também desenvolvem uma percepção corporal maior". Para Amélia, o paciente começa a mudar ao conhecer novas possibilidades. Com o maior desenvolvimento da consciência corporal, por exemplo, muitos deles começam a perceber o que desencadeia neles as crises de dor. Muitas pessoas podem ter tendência à fibromialgia, mas nunca desenvolver uma crise, mantendo isso controlado.